Saturday, 21 February 2015

#5 AND THE OSCAR GOES TO



The most important event of the year when it comes to movies is coming later tonight and hosted by the master himself, Neil Patrick Harris, the eternal Barney Stinson, it will certainly be a show not to miss. Although unfortunately I most probably will since here in Portugal it only starts like at 1AM and I have to work in the morning but at least I’m going to try and watch the first part and record the rest. J
I have to say this Oscar season I’m a little behind on the movies, I have at least two or three that I would have liked to see before the ceremony but time wasn’t on my side on this one. So I’ll just leave you with my opinion of the ones I actually saw and my predictions for tonight.

// O evento mais importante do ano na área do cinema chega hoje à noite e apresentado pelo mestre Neil Patrick Harris, o eterno Barney Stinson, vai ser sem dúvida um espectáculo a não perder. Embora infelizmente eu quase de certeza vou perder porque aqui em Portugal só começa lá para a 1h da manhã e o trabalho não pode começar só na 3ª feira, mas vou tentar pelo menos ver a primeira parte e gravar o resto.
Devo dizer que esta temporada dos Óscares estou um bocadinho atrasada nos filmes nomeados, tenho pelo menos 2 ou 3 filmes que gostaria ter visto antes da cerimónia mas o tempo desta vez não esteve do meu lado. Por isso deixo-vos aqui a minha opinião sobre os filme que eu realmente vi e as minhas apostas para hoje à noite.


Starting with the first I watched, Boyhood, I was definitely curious to see this one since it was filmed with the same cast for 12 years, capturing in the most real and honest way possible the growth and coming of age of the two kids in the movie. But no only that, we also see the rapid advances in technology throughout time and the changes in society.
The characters are beautifully written and played in their simplicity and flaws, making us relate to them, with their feelings and what they are going through.
For me the movie that will win the night not because it’s a phenomenal movie but because of its concept and originality, that actually resulted in a great movie.

// Começando com o primeiro filme que vi, Boyhood, eu estava definitivamente curiosa para ver este tendo em conta que foi filmado em 12 anos com o mesmo elenco, captando da forma mais real e honesta o crescimento e desenvolvimento das duas crianças do filme. Mas não apenas isso, podemos também ver os rápidos avanços da tecnologia e as mudanças na sociedade nesse mesmo período de tempo.
As personagens foram escritas e interpretadas de uma forma muito bonita e interessante dentro da sua própria simplicidades e das suas falhas, e muitas vezes são estas mesmas falhas e desilusões que nos fazem identificar com eles, com os sentimentos e com os episódios por que passam.
Para mim vai ser o filme vencedor da noite não por ser um filme fenomenal mas pelo conceito e originalidade que acabaram por resultar num bom filme.



American Sniper for me lives almost exclusively from the extraordinary performance of Bradley Cooper.
Don’t get me wrong, the direction of the movie is incredible; Clint Eastwood is back in the game! And Sienna Miller also does a wonderful job, but Bradley Cooper (in plus size) steals the show completely.
His unwavering patriotism and internal struggles entangled with his apparent coldness and detachment while killing his enemies, but not only then, also in the few moments he gets with his family, makes us sometimes unsure of what to think of him.
This is for me the core of the movie, the heroism versus the toll this heroism takes on a man, on a soldier.

// O American Sniper para mim vive quase exclusivamente da extraordinária interpretação de Bradley Cooper.
Não me interpretem mal, a realização do filme está muito boa, parece que Clint Eastwood está de volta com toda a força! E a Sienna Miller (que adoro também) também faz um óptimo trabalho, mas Bradley Cooper (com um tamanho maiorzito) rouba o protagonismo por completo.
O seu indiscutível patriotismo e as lutas internas juntamente com a sua aparente frieza e distanciamento enquanto mata os inimigos, mas não apenas aí, também nos poucos momentos que passa com a família, faz-nos por vezes incertas sobre o que pensar dele.
Este para mim é o ponto focal do filme, o heroísmo contra o que esse mesmo heroísmo pode custar a um homem, a um soldado.



Last but not at all least, The Theory of Everything is a touching and moving movie about the will to live, perseverance and love. Some people criticize it because it focuses more on the relationship between the couple of Stephen Hawking and Jane Wilde rather than on the genius he was and still is, but they forget this movie is about her take on their relationship.
It’s an example of a true test of their limits while Hawking gradually loses his motor skills and Jane keeps steadily by his side even when things are becoming unbearable.
Eddie Redmayne has the role of his life capturing with perfection the essence of Stephen Hawking, his helplessness, his desperation, his humor... He doesn’t need to talk to make me bawl my eyes out almost the entire duration of the movie.
A relationship that’s admirable and an unshakable respect for one another that’s truly remarkable make this movie an epic love story.
Redmayne will almost certainly not leave the Oscars empty handed (hopefully) nor should Felicity Jones that complements the other half of the couple brilliantly.


// O último mas não por isso menos importante de todo, The Theory of Everything, é um filme tocante sobre a vontade de viver, a perseverança  e o amor, um amor contra os obstáculos da vida. Algumas pessoas criticam o filme por este se focar precisamente mais na relação entre o casal Stephen Hawking e Jane Wilde em vez de no génio que ele era e continua a ser, mas esquecem-se que este é um filme sobre a perspectiva de Jane sobre a relação de ambos.
É um exemplo de um verdadeiro teste aos seus limites enquanto Hawking começa a perder as suas capacidades motoras e Jane continua imbatível ao seu lado mesmo quando tudo começa a ficar insuportável.
Eddie Redmayne tem o papel da vida dele, capturando na perfeição a essência de Stephen Hawking, a inevitabilidade da sua condição, o desespero, o sentido de humor… Não precisa de falar para fazer chorar basicamente o filme todo.
A relação admirável e o constante respeito um pelo outro que é realmente notável faz desta uma história de amor épica.
E Redmayne não vai quase de certeza sair da cerimónia dos Oscares de mãos a abanar (espero) nem deveria Felicity Jones que complementa a outra metade do casal de uma forma brilhante.


What are your bets for the Oscars? Which movies have you seen and what are your thoughts?
I’ll look forward to reading your opinions. ;)

// Quais são as vossas apostasy para os Oscares? Que filmes já viram e o que acharam?

Fico ansiosa por ler as vossas opiniões. ;)

Love ,
Lau

 


 

SHARE:

3 comments

  1. Brunching with good friends is always a great idea!
    Glad to see you are back blogging, the new layout looks good xx
    M

    ReplyDelete
  2. Disappointment this year on the movie...

    ReplyDelete
  3. Vi todos os filmes,mas o que mais gostei foi a teoria tudo e Boyhood

    http://themoschinogirl.blogspot.pt/

    ReplyDelete

© L'Scrapbook. All rights reserved.
MINIMALIST BLOG DESIGNS BY pipdig